Direitos autorais no dos outros é refresco

Thomas Edison, conhecido inventor da lâmpada e outras centenas de coisas, detinha mais de 1000 patentes nos EUA. Algumas dessas patentes eram sobre a indústria do cinema. Além de ter inventado o Kinetoscope, uma câmera, as patentes de Edison incluiam a criação, distribuição e reprodução de filmes. Simplificando: todo mundo que queria fazer um filme deveria pagar para Thomas Edison.

Para tornar o negócio das patentes ainda mais fechado, Edison e outras empresas do ramo fundaram a Motion Picture Patent Company, associação responsável por “caçar” quem não pagasse os direitos das patentes de todas as empresas do grupo. E a caça não era apenas em tribunais, há registros do uso de capangas no estilo da máfia. Além dessa perseguição, as empresas do grupo acertaram-se para negociar apenas entre quem fosse aceito, a Kodak, por exemplo, só venderia seus rolos de filmes aos escolhidos – quem pagasse os direitos das patentes.

Ficou tão caro fazer filmes que um grupo de produtores resolveu enfrentar o problema de outra forma: se mudaram para o outro lado do continente, de Nova Jersey para a Califórnia, onde fundaram Hollywood. As Leis e os juízes da Califórnia não eram tão simpáticos às patentes de Edison, e a distância dificultava as coisas para a Motion Picture Patent Company atuar daquele outro jeitinho.

Então Hollywood nasceu para escapar das amarras dos direitos autorais. Eis que na data presente existe uma perseguição sem fim das associações de estúdios hollywoodianos a todos que baixam seus filmes de forma irregular, burlando o pagamento de direitos autorais.

Não tem outra situação melhor para representar o ditado “Pimenta no cu dos outros é refresco”.

com informações de Know I Know.

Por: Slonik RafaelEm: fevereiro 23, 2012 | Em Cultura Pop  |
Curta no Facebook:

2 respostas para “Direitos autorais no dos outros é refresco”

  1. Cara, eu sei que o post já é “antigo” pelos padrões atuais, mas eu acabei de mandar o link da matéria do Know I Know sobre a MPPC para o The Oatmeal (theoatmeal.com), que é um dos maiores detratores do Thomas Edison de que eu já ouvi falar.

    Ademais (essa palavra existe?) bela postagem. Gostei do seu blog.

    Abraço!

    • Não acompanho de perto o The Oatmeal, mas gostaria de saber o que ele disse (se disse) sobre Nikola Tesla defender a eugenia! hauhauha

      Valeu pela visita, volte sempre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *